Quinta-feira, Julho 21, 2005

Sinceridade

Savvy, há alguns meses atrás eu escrevi um texto em minha agenda (e consegui, com muito esforço, lê-lo em voz alta para a pessoa de quem o texto falava) em que eu dizia que seria sincera. Sinceridade... Acho, na verdade, que cometi uma falta: quando amamos sem restrições, quando sabemos o que queremos, é fácil ser sincero. Mas e quando não sabemos? E quando estamos em dúvida, quando pensamos coisas que nunca deveríamos pensar?

Liberdade de pensamento? Hoje?

Ontem à noite eu escrevi um post tão sincero... Me dói saber que nunca o lereis, leitores. Falei, mesmo que apenas nas entrelinhas, tudo o que de terrível me corroía a alma e o coração (mais o coração do que a alma). Falei de tudo, de todos, sem dizer nada a ninguém. Traí-me, lembrei de dias antigos, cantei os sonhos e os risos de outras pessoas. Pela primeira vez, decidi contar o que me afligia. Mas então, numa tremenda sacanagem do destino, o computador deu erro, fechou o programa sem me dar tempo de salvar o texto. Assim, pá-pum. 'Cabou.

Sabe... A palavra sincero me lembra de uma das pessoas mais sinceras que eu conheço... Não a que diz mais verdades, mas a que transpira mais verdades... As pessoas normalmente não deixam que seus verdadeiros sentimentos venham à tona. Isso é tão chato. Tão feio. Tão triste. Uma prisão de sentimentos. Difícil dizer. Mas eu realmente nunca tinha reparado que a palavra sincero me lembra de uma pessoa sincera. Na verdade, ela apenas me lembra Chinchero, que é um lugar que nunca conheci (e talvez nunca conheça).

Acho que eu gosto dessas pessoas... pragmáticas... que conheço... Essas que sabem que não adianta nada ficar refletindo sobre as coisas, que o melhor é agir, simplesmente. Essas pessoas simples, que convivem com o complicado. Eu sou mesmo complicada. Não me incomoda muito. Eu posso pensar, fazer e sentir muitas coisas ao mesmo tempo, mesmo que elas se contradigam. Vou além do duplipensar - chego a um dupliquerer, duplisentir. Me contradigo, sim. O tempo todo. Tento ser racional, e não consigo. Acho que é por isso que é tão difícil ser sincera.

Pausa.

Mas isso não significa que eu tenha dito que não gosto de chocolate. Isso foi invenção de vocês, roedores, lhamas e outros seres estranhos, que ficaram subvertendo o que eu dizia. ¬¬''

Despausa.

Oh, sim, eu sou mesmo Labwa, a rainha-leoa, ou Raksha, a demônia-loba. Oh, sim. No fundo, quem me rege é o medo, a fome e o amor. O resto, realmente, não importa.

Até segunda-feira, quando eu voltar de viagem. Amo todos vocês.

Quarta-feira, Julho 13, 2005

Sem Olhar para Trás

O mais incômodo é que eu vejo os posts antigos e ler mesmo seus títulos já me traz tal agonia que quero fechar os olhos e desligar o computador. Não consigo ler nada que seja anterior ao dia 2 de julho (que foi quando saí de São Paulo).

Quando chegou na casa da Clara, uma das primeiras coisas que a Mysa disse foi "Você está mudado"... Ela disse isso para o Charles, sem conseguir explicar direito o quê. Depois, quando foi me cumprimentar repetiu singelamente a frase - porém no feminino - e eu me senti bastante confundida.

É verdade. Mudei muito.
Mudei tanto que nem posso dizer precisamente quanto mudei. Não consigo, não posso explicar tudo o que sinto de diferente em mim. Antes de receber a terrível notícia, já diria que o mundo havia morrido para mim, e que eu não sabia em que terras pisava. Tudo muito confuso. Muito confuso.

"Não vou dizer que foi ruim
Também não foi tão bom assim..."


Eu diria que parte de mim nunca será encontrada. Estou vazia o suficiente para decidir para onde quero ir. Tenho uma vaga noção do meu destino. Quero aprender e ensinar. Quero meus amigos. Quero ver minha mãe sorrir. Quero a Cajaíba. Quero conviver com a família.

Acho que vou para o sítio. Vai me fazer bem.
Mas não descarto a possibilidade de pegar um ônibus e passar a tarde numa cidadezinha pequena e desconhecida...

Blargh

Eu não tenho muito o que falar, mas eu preciso postar alguma coisa para que alguém comente. Então aí vai:

Não fiquem com dó de mim. Como bem disse um grande amigo meu, "dó é um sentimento que não devia existir". Eu não quero apenas ser cpnsolada e abraçada, eu quero acima de tudo voltar ao mundo real e combater como Tikshi que sou. Ele também disse que "a inocência é um crime", que é outra coisa com a qual eu concordo. Nunca poderemos estar livres de todos os pecados. Alguém disse que a união mais forte e eterna é o ódio, e eu achei bastante lógico, mas sem importância.

Comentem.

PS.: Eu acabei de me dar conta de que Raksha, em hindu, é demônio. Estou começando a achar que fui corrompida, oras...

Terça-feira, Julho 12, 2005

Num momento tão confuso, você me vem com essa de ir embora...

Meus sentimentos em ebulição.
Meus sentimentos fervendo, fervendo; e no meio dessa ebulição, no meio dessa sublimação, de repente, de repente...

Minha mãe chorando, meu vô chorando, todos eles. A Tamy. O Clayton. O Ma, o Gabi e o Pedro irmãos de luto. E eu luto. "Não segure nada", diz a Rê me abraçando; às vezes eu posso ter muitas mães. E eu preciso. Saudades da Ada (olhos vermelhos), do Max (abraço forte), do Urso (sorrindo, a vida). Inúmeras flores. Filhos. A vida inteira.

Ainda não entra na minha cabeça.

Acho que entendi porque a morte é tão absurda e misteriosa. Ninguém consegue aceitar quando algo muda tão brusca e irreversivelmente a nossa vida. A gente não consegue entender, nem atinar com nada. Se eu acordar amanhã, posso achar que foi tudo um sonho. então vou olhar pro meu calendário, e saber que não. Ninguém consegue compreender que certas coisas não podem se repetir.

O que a Giu e a Carol vão dizer? E pensar e sentir?

O anel que tu me deste era ouro e se quebrou.

...

"Ela está na liberdade", disse a Vó (agora vocês já sabem qual), e eu pensei na liberdade e o sol e céu iluminado e azul e flores e árvores e o gramado e pensei que ela estava num rio no Pantanal. A liberdade, o que mais ela poderia querer?

...

Minha vó morreu ontem de manhã.

Uma porção de netos (nem todos de sangue). Uma borboleta voa livre. Heróis árabes atravessam o deserto dos meus pensamentos em camelas velozes brandindo cimitarras furiosas; um cavaleiro negro conquista vales e montanhas e pedras como as de Minas.

Na verdade a Vó era mineira.

Um lobo pela noite persegue e devora a caça que grita, Grita, GRITA! Seus dedinhos quadrados, suas histórias pra dormir e de repente, de repente...

E a Carminha? E o Tute? E os cachorros? E todos os que dependiam dela?

"Tem dias em que o mundo fica escuro
Tem dias em que o céu,
por mais que azul profundo,
Pára, estanca, acinza e fica mudo
Cála quieto.
Tem dias em que o vento não ousa balançar as àrvores
e elas apenas soluçam com a brisa, num murmúrio.
Tem dias em que a gente morre.
Todo dia gente morre.
Mas às vezes dói.
Dói muito mais.
Tem dias em que Deus,
por mais que céu e mundo,
é aquele que segura a mão
que estendemos.
E o tempo não corre."

Meus primeiros pensamentos quando olhei pela janela do hospital.
E a gente ri porque a vida continua. O Ennzo brincando com a vaca.

Eu não sei porque a Vovó estendeu a mão a Deus, deixando-nos no chão. Acho que ela sabia que a gente era forte. Que ela podia... Acho que ela nunca se importou tanto com ela mesma. Ela vivia para os outros. Acho que "alguém lá em cima sabe o que está fazendo. Tem que saber", disse minha mãe. Agora eu sei que a família vai estar em volta dela. Minha mãe sempre foi assim.

Meus olhos doem.

Essa onda não volta mais.

Meu coração não sabe onde bater; estou perdida. No meio dessa ebulição, dessa sublimação, alguma coisa me faz perder meu norte e me agarrar à Terra. Promessas, rezas, nada foi em vão.

A bem da verdade, minhas últimas rezas foram de negação do que o coração já sabia. Antes de sair de casa, o último pedido a Deus foi de que desse forças à minha mãe e aos meus tios para cuidar de minha vó e para sobreviver, a isso, a ela.

Dedos de demônio apertando minhas costelas no desejo de um pecado.

Uma canção de ninar.

Um chocolate; O Mágico de Oz, jogo do palito, xadrez, valsa, tudo o que ela me ensinou.

Um Pégaso voando no vento, tocando as músicas da rádio Eldorado.

Uma voz doce que eu nunca mais ouvirei, chamando nossos nomes...